Adeptos da alimentação viva, cervejeiros criam o movimento xiita-naturebista para o consumo da chamada cerveja natural, que se pauta na ingestão dos insumos crus, antes de serem submetidos ao processo de brassagem e fervura. Os cervocrudivuristas defendem que assim as vitaminas são ingeridas em sua totalidade, já que durante o processo produtivo muito do valor nutricional é perdido. Mais do que isso, reduz a emissão de gases, como CO2 e compostos de enxofre, que se desenvolvem durante a fermentação e são malignos para o mundo.

“-Precisamos ter uma alimentação saudável e sustentável. Quando vou a um bar, levo sempre minha barrinha de malte de cevada. Depois, tomo um gole de água gelada com ice hopping e uma colherada de levedura líquida de cerveja. Consigo ingerir todos os insumos sem passar pela sistemática perda nutricional que representa o processo de produção cervejeiro”. Afirma o Pseudo-nutricionista Norberto Chatuba de Mesquita, que prefere comer cru.

A moda chegou da Califórnia, onde algumas pessoas também comem uvas frescas evitando o processo de produção de vinho. Segundo o nutricionista Nelson Sauvin, o comer cru aumenta a quantidade de vitaminas de A a Zinco, contidas nos ingredientes cervejeiros.

Anúncios