Edivaldo Cucunha, líder da bancada acética na Câmara dos Deputados, e oposição à Bancada Amanteigada, do renomado e batalhador Luís Dias Cetil, acatou hoje o pedido de expropriação da cervejaria americana Dogfish.

Procurado pela equipe do Cervejonalista, Edivaldo se recusou a falar sobre o caso, mas nosso comentarista de políticas cervejeiras e econômicas internacionais, Samuel Adams Smith, explicou os detalhes do pedido.

-O deputado acredita que o peixe da logomarca da Dogfish se trata de uma cópia do símbolo cristão, por acaso bandeira do partido de um de seus aliados. O efeito prático disso seria o pagamento mensal de dízimo, coisa que não foi realizada desde 1995, quando a cervejaria foi fundada, nos EUA. O crescimento de 400% da cervejaria no período que compreende entre 2003 e 2006 agravaria ainda mais essa dívida, além do fato de os cálculos serem feitos com correção monetária tendo o dólar como moeda base. Enfim, é uma dívida impagável segundo Edivaldo, que pretende assumir a cervejaria para fins de lavagem de dinheiro que mantém num paraíso fiscal – analisou Smith.

Um informante próximo de Edivaldo revelou algumas intenções do deputado numa carta anônima enviada para o nosso colaborador e grande sábio, Oráculo Cervejeiro.

-Ele (Edivaldo) pretende fazer todas as cervejas usando laranja na receita. Não sei bem o que isso significa… mas ele sempre fala que precisa de laranjas. Outra coisa que ouvi outro dia é que o Seu Edivaldo vai realizar o mesmo processo com a Bosteels, mas no caso só para assumir uma cerveja que se chama Deus. Sobre a Lúcifer ele até foi questionado pelos assessores, mas deixou claro que não gosta de concorrência – dizia um trecho revelador da carta.

Anúncios