O Departamento Mais Sommelier, do Governo Federal, lançará uma cartilha informando aos incautos padawans cervejeiros sobre os perigos da Guinness, tradicional cerveja dry stout irlandesa. Confira com exclusividade o texto do documento na íntegra só para você, leitor do Cervejonalista:

“O DMS faz um extenso de trabalho de monitorar todos os posts sobre cervejas do feicebuque e Untappad na Pantera. E fez um longo estudo sobre muitos comentários acerca da popular cerveja Guinness. Alarmados com os resultados, sentimos a necessidade de informar que esta citada bebida escura tem apenas 4,1% de álcool. Sim, apenas quatro virgula um por cento de álcool, mais leve que Skol, Brahma e Itaipólvora. Porra!!

Solicitamos que parem de dizer que ela é forte, encorpada, muito amarga e outros adjetivos incorretos. Cervejeiros que usarem estes termos em redes sociais serão defenestrados das mesmas, seus perfis excluídos e prints das asneiras publicadas aparecerão na página Sommelier dá Depressão (empresa pertencente ao grupo Cervejonalista Holding S/A) para que todos possam rir da sua ignorância.

Para complementar esta informação, é importante comunicar que a Guinness tem este nome pois foi parar no livro homônimo na categoria ‘a cerveja mais rala do mundo’. Algumas cervejas brasileiras estão lutando para desbancar os irlandeses, mas ainda não conseguiram.

Outro aviso relevante é que a cerveja, mesmo sendo assim tão leve, não é uma pilsen. Isso se dá apenas pela fato dela não ser lager. Pois, como sabemos, toda pilsen é lager mas nem toda lager é pilsen. E sim, qualquer semelhança com Brahma Black não é mera coincidência.

DMS, sempre presente na cerveja brasileira.

Brasil, um país de todos os estilos de cerveja do BJCP.

Saudações aos brejeiros,

Luís Dias Cetil
“Líder da Bancada Amanteigada na Câmara.”

Anúncios