A cervejaria Treze, que é a primeira cervejaria Estatal do Brasil, teve hoje anunciada a sua privatização. A medida faz parte de um pacote de corte de custos que visa otimizar a receita do país, cabendo assim no Beer Smith 2.0. Herb Rique Mei Helles, que é Ministro da Fazenda e sócio do banco IPAú, falou com o Cervejonalista sobre a medida.

-Temos grande orgulho da cervejaria Treze, porém precisamos enxugar o Estado, e 500 mil litros por mês, convenhamos, molha demais. Mas ao contrário do que muitos afirmam, não é necessariamente uma privatização. A Treze foi enquadrada na PEC (Pauta Especial pra Cerveja) da Terceirização, portanto será terceirizada – explicou o Ministro.

Cabe lembrar que a Cervejaria Treze é alvo da operação Lava Mosto, e seu presidente, Nuno Coito, foi afastado após ser denunciado numa delação premiada, onde foi acusado de ter favorecido o cantor Tico Santa Cruz com royalties indevidos de um rótulo. Em seu Twitter, o presidente interino comentou sobre a medida.

-Os que criticam, deveriam me agradecer, porque com a terceirização finalmente a Treze será uma cervejaria cigana – postou Dubbel Memer, que é ex-vice presidente da ex-atual presidenta.

A ex-base governista denuncia uma licitação irregular entregando a fabricação da Treze na mão do cervejeiro Odair Brecht, que é parente dos donos da empreiteira que irá construir uma nova unidade da cervejaria, contando com isenção fiscal divulgada no valor de 150 milhões de reais. Odair Brecht, agora responsável pela Treze, afirma não estar preocupado com as denúncias e que elas não vão dar em nada, pois irá trocar o nome da cervejaria para Quarentaecinco.

Anúncios