A banda CPM 22 foi surpreendida ao ver que o MAPA (Ministério de Ales, Pilsens e Afins) proibiu o lançamento de sua cerveja em pleno dia internacional do rock. O argumento é de que a banda, na verdade, não é de rock. Beduíno, que é o vocalista, desabafou em uma rede social.

-Somos hardcore melódico na veia, carambolas! Esse pessoal do MAPA é tudo cara de melão! Quero ver esses caras aparecerem num show nosso! Vamos pintar todos eles com canetinha! Sem dó! – afirmou irritado.

Do estilo American Pilsen, o rótulo foi produzido pela cervejaria Dammberg, que pertence ao Alexander Catzzo, fã ilustre da banda. O Cervejonalista obteve com exclusividade a explicação do MAPA sobre o cancelamento do lançamento da cerveja.

-Como toda repartição pública, somos movidos pela burocracia. Então aquilo que é repetido, acabamos deixando passar, e esse foi nosso erro. A Dammberg mandou uma receita que começa com “American” e que levaria o nome de uma banda de rock. Tudo normal. Então olhamos a foto da banda, e vimos um grupo de rapazes com cara de mau e tatuados. Pronto! Carimbamos e aprovamos. Mas um estagiário, novo no ramo, resolveu ouvir um cd deles, e concluiu que não era rock. Temos um compromisso com a sociedade, e entendemos que uma cerveja com o nome do CPM 22  pode induzir menores de idade ao consumo de álcool. Sendo assim, orientamos que eles lancem um leite da banda.

Anúncios